image_pdfimage_print

Em uma cidade que valoriza o café artesanal, uma loja que não conta com funcionários humanos se tornou referência em qualidade

Imagine um robô que faz o seu café. A ideia parece boa, prática e eficiente – e realmente é – mas, levanta uma questão: existem diversos empregos que poderão ser substituídos pelas máquinas. E isso não é exagero.

Como conta o Financial Times, de acordo com a McKinsey, 5% das ocupações atuais poderiam ser substituídas por tecnologias já existentes e presentes em nossas vidas. Porém, 45% delas poderiam ser trocadas por robôs, através do uso do que o que o FT chama de “tecnologias já demonstradas” – ou seja, já idealizadas e aplicadas, mas que ainda não são habituais. E é aí que o cabelo dos colaboradores dos dias de hoje fica em pé.

Um exemplo claro disso, como demonstra o jornal inglês, é o Cafe X, uma empresa localizada em um shopping em São Francisco, que já substituiu os baristas por uma máquina. O engraçado da história toda é que, por lá, o café artesanal é algo muito valorizado. Mesmo assim, o chamado “robocup” fez jus ao seu valor.

O consumidor sai ganhando nessa experiência, afinal, a ausência do trabalho humano torna o preço menor: um espresso custa U$ 2,25 e um latte tem o valor de U$2,95. (Grupo Padrão)

Escrito por Melissa Lulio