Brasil terá sua primeira loja exclusiva de bonecas negras

A marca Era Uma Vez o Mundo, especializada na venda de bonecas negras vai inaugurar sua primeira unidade física, no centro da cidade do Rio de Janeiro. O projeto será acelerado pelo Instituto Ekloos e pelo Oi Futuro, instituto da empresa de telecomunicações Oi voltado para inovação e criatividade.

A historiadora Jaciana Melquíades foi quem criou a marca. Atuando na área de educação, Jaciana teve a ideia de criar os produtos quando engravidou do primeiro filho e não encontrava produtos de decoração para o quarto do bebê com personagens negros. “Para meninos, tem muita coisa do Pequeno Príncipe”, contou à NOVAREJO. Então, unindo ensinamentos de costura da avó, a ajuda da sogra e uma habilidade natural para trabalhos manuais, começou ela mesma a produzir os bonecos negros. Os produtos chamaram a atenção das amigas – “elas falavam que era fofo” –  e Jaciana começou a vender informalmente e como atividade paralela à sua profissão.

Em 2015, os produtos ganharam uma loja virtual para serem exibidos. Dois anos depois, Jaciana passou a se dedicar exclusivamente ao e-commerce e a profissionalizar o negócio, batizado com o mesmo nome de um blog que mantinha para contar sobre sua vida acadêmica. “Quando virou negócio, entrei em curso de MBA para aprender a gerir. Nesse momento, identifiquei que a parte da produção era um problema para a expansão, pois eu que fazia tudo: cortava, costurava, montava”, relata. A empreendedora precisou treinar outras pessoas para conseguir focar nos negócios e hoje conta com uma equipe de sete pessoas.

No Varejo – Por: Raphael Coraccini




O que a trajetória da Livraria Cultura pode ensinar ao seu negócio

Especial “O que aprendi” entrevista Pedro Herz, atual presidente do conselho administrativo da empresa e responsável pela sua expansão. Confira o vídeo

Em um momento de dificuldade econômica, 70 anos atrás, Eva Herz iniciou a ideia que se tornaria a Livraria Cultura: começou a alugar livros para seus amigos. O negócio deu tão certo que os próprios clientes, sócios de sua biblioteca circulante – como ela costumava dizer -, deram a ideia de comercializar os títulos. Em 1969, seu filho, Pedro Herz, entrou na gestão em um momento que marcava o crescimento do que se tornaria uma das maiores redes de livraria do Brasil.

Hoje, muita coisa mudou. Atualmente, Pedro é presidente do conselho administrativo da livraria e quem está a frente do negócio é seu filho Sérgio. Com uma trajetória empreendedora tão rica e cheia de percalços, o executivo dá sua visão sobre o que aprendeu nos anos como empreendedor – uma prática que, em sua visão, é natural do ser humano.
(No Varejo: por Por: Raisa Covre)




Adeus caixões! Cápsula orgânica transforma pessoas falecidas em árvores

A ideia do “ciclo da vida” agrada muitas pessoas independentemente da fé. Em poucas palavras, é vida se transformando em vida — a morte fica em segundo plano.

O projeto italiano The Capsula Mundi é uma representação perfeita desse conceito.

Desenvolvido pelos designers Anna Citelli e Raoul Bretzel, o projeto consiste em uma cápsula orgânica e biodegradável que é capaz de transformar um corpo em decomposição em nutrientes para uma árvore.

Primeiro, o corpo do falecido é colocado dentro da cápsula e então enterrado. Depois é plantado uma árvore ou uma semente por cima para aproveitar a matéria orgânica.

O PROJETO VEIO DA IDEIA DE CRIAR UMA ALTERNATIVA ECOLOGICAMENTE SUSTENTÁVEL PARA CAIXÕES

Cada cliente pode escolher sua árvore favorita

Caixão orgânico (2)

ISSO SEM DERRUBAR ÁRVORES PARA PRODUZIR CAIXÕES…
… MAS PLANTANDO VÁRIOS TIPOS PARA GERAR MAIS VIDA.

Por Willian Binder            Fonte: capsulamundi.it




Por que pessoas bem-sucedidas vestem sempre a mesma roupa?

Um novo movimento vem atingindo empresários ultimamente. chamado de ‘capsule wardrobe’ (algo como guarda-roupa cápsula, sem variações), consiste na utilização sempre do mesmo tipo de peças e cores. O presidente dos EUA Barack Obama é um dos adeptos, com um armário repleto de ternos cinza e azul, que, segundo ele, ajudam a ter que tomar menos decisões em seu dia.
Alguns outros famosos também são adaptos, como o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, que em 2014 declarou que a opção é para “limpar sua vida” e ter que tomar a menor quantidade de decisões possível, ele possui um guarda-roupa no estilo “50 tons cinza”.

Jobs usava sempre o mesmo "uniforme". (Reprodução)

Jobs usava sempre o mesmo “uniforme”. (Reprodução)

O fundador da Apple Steve Jobs também sempre aparecia de camisa com gola rolê preta e calça jeans. Para ele isso era um uniforme de trabalho e uma forma de criar uma marca pessoal.

E parece que repetir roupa não é um problema também no mundo da moda. Michael Kors, dono da marca homônima sempre usa camiseta e jaqueta preta. O diretor criativo da Channel, Karl Lagerfeld também sempre está sempre de terno preto, camisa branca, óculos e luvas.
E você, acredita que a vida se torna mais fácil com um guarda-roupa sem variações?

mercado.etc –