image_pdfimage_print

Publicado no Jornal de Piracicaba em 14/02/2020

A tendência nada mais é do que a tradução de desejos e de comportamentos. O importante é saber como usar as informações para direcionar seu negócio.

Cabe aos gestores do varejo identificar as oportunidades e as ameaças do macroambiente e como satisfazer e não satisfazer às necessidades dos consumidores. Analisar tendência não é uma ciência exata, ao contrário do que muitos pensam. Para obter resultados satisfatórios, é necessário um empenho diário na particular tarefa de cruzar dados. Não há fórmula pronta.

Por esse motivo, a fim de compreender os acontecimentos do macroambiente e fazer prognósticos do futuro, é importante observar seu segmento de atuação, seus trendsetters, compreendidos como formadores  de opinião, e acompanhar ou realizar pesquisas sobre economia, política, cultura e assuntos relacionados ao indivíduo e à sociedade, e isso leva aos macrocomportamentos que,  em geral, prevalecem em destaque por pelo menos uma década.

Na maior feira mundial sobre tecnologia e soluções para o varejo, a NRF Retail´s Big Show, que aconteceu no mês de janeiro passado nos EUA, muitos temas foram abordados. Segundo a consultoria GS&MD Gouvêa de Souza, os vários comportamentos e tendências apresentados nesse evento auxiliarão o varejo em 2020 a nortear suas estratégias, os quais são descritos a seguir.

O uso da tecnologia no varejo tornou-se intenso, como é de conhecimento de todos, porém é importante destacar que o foco deverá ser sempre as pessoas. O varejo compõe-se delas, e isso implica a existência de relacionamento nesse processo.

As informações e os dados dos clientes cada vez mais serão utilizados para gerar relacionamentos. Por exemplo, quando compramos um carro, e, aproximadamente onze meses depois, a concessionária liga para agendarmos a primeira revisão dele.

O contato acontece porque a loja sabe quando precisamos fazer tal procedimento. Esse é um estágio preliminar, e muitas dessas informações serão utilizadas para fazer previsões e sugestões de serviços e produtos dos quais o consumidor nem sabe que precisa.

A partir dos dados e do conhecimento do cliente, iniciam-se as previsões de seu comportamento de compra e o consequente esforço de proporcionar soluções e antecipações de compras. Como resultado, o varejo desenvolve campanhas e produtos mais assertivos para o consumidor, assim como tem condições de saber qual o momento de oferecê-los. Outra tendência é que o varejo ocorre em tempo real.

Na última edição do Black Friday, o Magazine Luiza, a fim de apresentar suas ofertas e produtos, utilizou-se de plataformas de mídias sociais para vendas ao vivo. Ademais, o varejo deve priorizar ações de personalização específicas para cada pessoa, que é o caso, por exemplo, de uma empresa de cosmético quando seus consultores orientam as consumidoras sobre a cor de tinta que fica melhor em seus cabelos. Isso permite a elas viver uma experiência única, além de não precisarem acessar o site da empresa ou utilizar app para ver as cores que melhor combinam com seu tom de pele.

As empresas experientes e que são boas nos serviços prestados a seus clientes, num futuro próximo, passarão a alugar sua expertise de atendimento a empresas iniciantes ou inexperientes em prestar bons serviços, o que lhes facilitará saber como operar o negócio. O varejo deve melhorar constantemente sua relação com o cliente e desenvolver relações entre o time de colaboradores buscando uma cultura de fortalecimento e troca de conhecimento com um único objetivo: entregar sempre mais ao consumidor.

Os consumidores das gerações Y e Z querem novidades. Desse modo, para atendê-los, é necessário planejar novos formatos de loja, pagamentos e distribuição de produtos. Outra tendência refere-se à liderança feminina. O número de mulheres em cargos de alto escalão ainda é pequeno mesmo em empresas familiares. Verifica-se a preferência por homens nessas funções.

No entanto, é importante reconhecer que mudanças vêm ocorrendo e, por isso, haverá um novo perfil de liderança no setor de varejo. Conhecer as tendências requer estar atento aos acontecimentos externos, para saber como se relacionar com os consumidores, como conhecê-los e como tratá-los. Essa tarefa exige acompanhamento contínuo por parte da empresa, sendo recompensadora à medida que são desenvolvidos relacionamentos duradouros e rentáveis.